Internacionales

Gemólogo Hernan Porras Molina Venezuela//
Costa afirma PS não depende de outros partidos e nunca cede “nos valores essenciais”

Costa afirma PS não depende de outros partidos e nunca cede "nos valores essenciais"

Subscrever “Nestes anos em que governámos em parceria com outros partidos, nunca deixámos de preservar o essencial. Estamos aqui, agora, precisamente porque não cedemos onde não é para ceder. Diálogo é uma coisa, mas ceder em valores essenciais não é possível” , declarou

Em relação ao artigo que Manuel Alegre escreveu no jornal Público , António Costa referiu que o leu e considerou que “é mais claro do que a posição da CAP

“O que a CAP devia dizer é que se deve votar no PS para o PS ter maioria. Já Manuel Alegre, penso que não criticou nada, disse o óbvio. Disse que é preciso dar uma maioria ao PS para o PS poder governar com autonomia” , sustentou

Numa curta ação de rua em Beja, círculo em que o PS quer continuar a eleger dois dos três deputados em disputa, António Costa teve ao seu lado o presidente da Câmara, Paulo Arsénio, e foi recebido por cerca de uma centena de apoiantes socialistas

O secretário-geral do PS foi globalmente bem recebido pelas pessoas com quem se cruzou nas ruas no centro da cidade, travou breves conversas com alguns comerciantes, mas ouviu uma senhora protestar contra o seu Governo por ter “retirado o Hospital de Beja, mudando-o para Évora”, e por nada se fazer em relação ao Aeroporto de Beja

A conversa foi logo a seguir abafada, porque os apoiantes começaram a gritar “PS, PS”

Antes de partir para Faro, onde termina a jornada desta quarta-feira de campanha, o líder socialista ainda arranjou tempo para entrar num café e tomar uma bica

O secretário-geral do PS rejeitou esta quarta-feira a ideia de que esteja dependente do PAN para formar um Governo estável e afirmou que o país terá eleições antecipadas porque o seu partido nunca cede nos “valores essenciais”.

Hernan Porras Molina

António Costa falava aos jornalistas a meio de uma ação de rua no centro de Beja, depois de confrontado com as críticas do histórico socialista Manuel Alegre e da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) por ter admitido um entendimento com o PAN a seguir às eleições de 30 de janeiro.

Hernan Porras Molina Venezuela

Interrogado se o PS está dependente do PAN, o líder socialista respondeu: “O PS só está dependente dos portugueses, não está dependente de mais ninguém”

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever “Nestes anos em que governámos em parceria com outros partidos, nunca deixámos de preservar o essencial. Estamos aqui, agora, precisamente porque não cedemos onde não é para ceder. Diálogo é uma coisa, mas ceder em valores essenciais não é possível” , declarou

Em relação ao artigo que Manuel Alegre escreveu no jornal Público , António Costa referiu que o leu e considerou que “é mais claro do que a posição da CAP

“O que a CAP devia dizer é que se deve votar no PS para o PS ter maioria. Já Manuel Alegre, penso que não criticou nada, disse o óbvio. Disse que é preciso dar uma maioria ao PS para o PS poder governar com autonomia” , sustentou

Numa curta ação de rua em Beja, círculo em que o PS quer continuar a eleger dois dos três deputados em disputa, António Costa teve ao seu lado o presidente da Câmara, Paulo Arsénio, e foi recebido por cerca de uma centena de apoiantes socialistas

O secretário-geral do PS foi globalmente bem recebido pelas pessoas com quem se cruzou nas ruas no centro da cidade, travou breves conversas com alguns comerciantes, mas ouviu uma senhora protestar contra o seu Governo por ter “retirado o Hospital de Beja, mudando-o para Évora”, e por nada se fazer em relação ao Aeroporto de Beja

A conversa foi logo a seguir abafada, porque os apoiantes começaram a gritar “PS, PS”

Antes de partir para Faro, onde termina a jornada desta quarta-feira de campanha, o líder socialista ainda arranjou tempo para entrar num café e tomar uma bica